“Tribunal da Internet”: os efeitos nocivos da cultura do cancelamento

Em 2019, de acordo com o dicionário australiano Macquarie, a “cultura do cancelamento” foi eleita o termo do ano. Esse movimento teve início pela mobilização das vítimas de assédio e abuso sexual, que usavam a hashtag #MeToo nas redes sociais. Em 2017, teve uma visibilidade enorme graças às denúncias realizadas por pessoas famosas e não famosas em Hollywood.

Leia também:

Com o crescimento dos julgamentos dentro da internet, o rumo mudou bastante, e ninguém mais está a salvo de fazer parte da “cultura do cancelamento”, sejam grandes marcas, famosos, políticos e/ou cidadãos comuns.

Qual é o efeito na vida das pessoas?

A psicóloga Amanda Fitas comenta sobre esses efeitos na vida das pessoas. “A cultura do cancelamento é extremamente perigosa a partir do momento em que o julgamento é feito através de um único ponto de vista, muitas vezes sem conhecer as histórias, contextos de vida. Não levamos em consideração a própria empatia, e desconsideramos o que está no interior da outra pessoa, e julgamos simplesmente um ato, uma ação, um erro”, declara.

A partir da constatação de um ato errado ou conduta reprovável, a sua vida pode mudar de cabeça pra baixo, não só dentro das redes sociais como fora dela, por ter o psicológico abalado. “Isso muitas vezes pode acarretar problemas psicológico, não só para aquela que está sendo julgada como também quem julga. Afinal, quem está com muita crítica dentro de si, sofre por carregar esse excesso ou por ser uma pessoa mais dura consigo mesma. A rejeição em ambos os lados vai trazer danos não só momentâneos como para o futuro”, afirma a psicóloga.

A origem

Segundo a profissional, essa cultura vem como um movimento social, onde as pessoas querem buscar a sua própria justiça ou dizer o que é certo/errado, quem deve ser penalizado e/ou ‘odiado’, ser excluído, porque não se adequa ou foge dos critérios intitulados por elas.

Pessoas da mídia são uma das mais afetadas por esse cultura, e se enquadram frequentemente no termo “cancelados”. Confira alguns exemplos:

Thaila Ayala

Thaila Ayala foi “cancelada” nas redes sociais após criar uma marca de roupas inspirada pelo coronavírus intitulada “Virus 2020”. Isso fez com que a atriz recebesse uma grande quantidade de críticas e xingamentos.

Gabriela Pugliesi

Outra grande personalidade que foi cancelada durante a quarentena foi a Gabriela Pugliesi. A blogueira fitness reuniu amigos em sua casa e debochou do período de isolamento em seus stories. Ela desativou seu perfil no Instagram para poder conter as críticas e a perda de patrocínios.

Arthur Aguiar

Arthur Aguiar também pode entrar para a lista de “cultura de cancelamento” após se envolver em diversas polêmicas com sua ex-mulher, Mayra Cardi, e ser acusado de infidelidade por diversas vezes.

“Elas sabem que o preço de errar será muito alto e o ser humano quer fugir da dor. Se achar que um comentário pode surgir danos muito sérios e graves, isso faz com que as pessoas se expressem com mais receios e perdem um pouco as suas espontaneidades”, comenta Amanda.

Comments

comments

Leave a Reply
Your email address will not be published. *

Click on the background to close