Bruna Mascarenhas: do balé clássico ao hit da Netflix

A personagem Rita, da série Sintonia, causou identificação imediata em muitas das garotas que assistiram ao sucesso da Netflix. O motivo? Rita tem um jeito independente, super “vida real” e pra lá de irreverente. A responsável por dar vida a garota da ficção? Bruna Mascarenhas, a musa de capa da nossa revista digital. E a gente garante: se depender de seu talento, o seu sucesso está só começando.

A Rita na Bruna

Em Sintonia, Rita é uma menina de 18 anos que precisou amadurecer cedo por causa de uma família desestruturada. Transformou-se em uma jovem independente e corajosa, além de ter muita fé. Trabalha na rua e em trens como ambulante vendendo tudo que puder dar lucro. Em comum com a personagem, Bruna diz também ter muita força de vontade e determinação para realizar o que acredita.

Leia também:

“Acho que uma das nossas maiores semelhanças é a vontade e a determinação de fazer algo em que acredita, em que tenha tesão para realizar”, conta ela ao DOMÍNIO POP. “Tinha épocas que em um dia eu passava em quatro cidades, pra trabalhar, ensaiar e estudar. Eu acredito que quando se quer algo precisa de muito esforço, abdicar de algumas coisas também faz parte.”

A atriz, que é de Niterói (RJ), decidiu investir ainda mais na carreira e se mudar para São Paulo em julho de 2018. Na época, ela chegou na nova cidade com o dinheiro que economizou do antigo trabalho, sonhos e alguns objetivos debaixo do braço. Fez um teste para a série Sintonia e ficou sabendo o resultado logo no dia seguinte. Em duas semanas, trocou o sotaque puxado carioca para um paulista.

O resultado foi um verdadeiro sucesso. Sintonia permaneceu por semanas entre as mais assistidas na Netflix e rendeu o sucesso Te Amo Sem Compromisso, do MC JottaPê – ele, junto com Bruna e Christian Malheiros, é um dos protagonistas da trama.

Além do hit, a atração também é vista como uma importante forma de representatividade para jovens da periferia. “A gente precisa retratar essa realidade”, defende Bruna. “Poder ver suas histórias na telinha, acho que fortalece e inclui. Os personagens são muito humanos, independentemente de suas escolhas e caminhadas.”

Mas o que Bruna tira de todo esse sucesso? Ela mesma conta: “Estou começando minha carreira e ainda tenho muita coisa a aprender, experimentar e conhecer. Acho que Sintonia foi um boom, se alastrou muito rápido, mas não quero uma carreira de fogo de palha. Quero construir meu caminho e ser conhecida como atriz, não só como ‘a atriz que fez Sintonia'”.

O “empurrãozinho” do balé

Bruna começou no balé com apenas três anos de idade. “Sempre amei dançar e cantar, e quis unir todas as artes”, conta ela. O balé foi uma das modalidades escolhidas por ela, o que acabou rendendo 14 anos de aula em uma escola de balé clássico. E a prática acabou a ajudando muito a se desenvolver ainda mais como atriz.

“Nosso corpo é nosso instrumento de trabalho. O balé contribuiu muito com minha postura, minha mobilidade, ritmo, memória, escuta, estar no momento presente”, aponta ela. “O ator também precisa estar atento, presente. Aberto para escutar sua respiração, o diretor, colegas de cena, e tudo que pode vir. Eu também danço forró e todo mundo me pergunta onde aprendi. Aprendi na rua, me permitindo ser levada, escutando o outro. Mas tenho certeza que ter feito 14 anos de balé foi crucial.”

A quarentena

Assim como todos nós, Bruna foi pega de surpresa pela quarentena imposta pela pandemia do coronavírus. Porém os trabalhos não pararam. Ela reuniu um grupo de criativos e lançou a websérie NeuRose. Na trama, veiculada no Instagram da atriz, ela interpreta a neurótica assumida Rose, uma jovem de vinte e poucos anos que adora dramatizar as situações e que vê dilema em tudo.

“Na verdade a ideia de fazer algo veio antes da quarentena. Reuni produtor, roteirista, diretor e fotógrafa e a pandemia chegou”, detalha Bru. “Eu levei para o Wagner D’avilla, roteirista, algumas ideias que eu tinha sobre as características da personagem, a opção da tragicomédia, queria falar de assuntos do cotidiano. E ele me trouxe a nossa Rose. É meu primeiro projeto autoral, e estou amando. Os feedbacks são incríveis, a galera se diverte e se identifica muito. Acho que você consegue, através do riso e da leveza, olhar com distanciamento e rir de si próprio, gerando uma reflexão. A arte tem esse poder!”

Para ela, acreditar e se jogar é a melhor forma para mostrar o seu trabalho na web sem se importar com as opiniões alheias que podem surgir. “A forma de eu me sentir mais segura nessa aventura toda é ter encontrado pessoas incríveis e ótimos profissionais para dividir esse espaço de criação comigo. Você não faz nada sozinho, e compartilhar e trabalhar em equipe, vai te dando cada vez mais norte. A escuta e a troca são essenciais em qualquer trabalho, principalmente quando falamos de arte.”

E o futuro?

Durante o isolamento, Bruna já pensa no futuro. Apesar de o teatro, uma de suas paixões, não ter previsão de reabrir por conta da pandemia, outras planos já estão engatilhados. “Quero muito fazer outros projetos. Filmes, séries… Quero poder viajar e estudar fora por um tempo. Penso muito na Argentina e Espanha, inicialmente. Quem sabe?! Vivendo um dia de cada vez.”

Nós, certamente, estamos empolgados com o que está por vir.

Fotos: Thiago de Lucena
Beleza: Ciça Mayer
Styljng: Andre de Moraes

Comments

comments

Leave a Reply
Your email address will not be published. *

Click on the background to close