Afinal, por que estamos tão exaustos o tempo todo? Como diminuir essa sensação?

Desde que a pandemia foi declarada, em março de 2020, e o Brasil entrou em quarentena, são comuns os relatos de exaustão mental e um cansaço extremo – algo muito maior e constante do que aquela sensação que temos depois do trabalho ou de um dia corrido. Ler e assistir tantas notícias ruins acabam nos deixando mais cansados mentalmente, o que acaba prejudicando em nossa performance nas tarefas diárias.

Leia também:

“A exaustão mental na pandemia certamente é multifatorial. Podemos elencar alguns fatores que causam exaustão mental além do acesso excessivo à noticias”, conta o médico psiquiatra Ewerton Teixeira. “O confinamento forçado e isolamento social acabaram levando à mudanças de rotina que podem influenciar muito a qualidade da saúde mental do indivíduo. A própria diminuição da mobilidade durante o dia e o menor acesso ao sol podem prejudicar o sono da pessoa, por exemplo.”

É fato que o acesso excessivo à notícias causa prejuízo pra saúde mental, uma vez que o conteúdo principal atualmente é extremamente negativo, tanto em relação ao aumento constante do número de casos quanto à instabilidade econômica. “Ler ou assistir coberturas da pandemia 24 horas por dia pode aumentar sua ansiedade”, alerta o profissional. “Vale aqui ressaltar que estar bem informado não significa ler notícias o tempo todo. O ideal é que a gente separe algum momento do dia para se informar, através de fontes confiáveis, das novidades relacionadas à pandemia que realmente vão afetar sua vida, ou rotina. Saber diariamente o número de mortos, por exemplo, não tem nenhum impacto objetivo na sua rotina, então o ideal é evitar ficar constantemente acessando esse tipo de conteúdo. Tente procurar por notícias com conteúdo positivo que te tragam mais esperança.”

“Precisamos definir quais informações são importantes e deveriam ser acompanhadas”, diz a psicóloga especialista em neuropsicologia Andréa Leão. “Por exemplo, como está a vacinação na cidade que mora. Consumir as informações de forma indiscriminada pode provocar angústias, ansiedades, visto a ênfase nós problemas, mortes, desafios que a pandemia trouxe e que somos impotentes para saná-las.”

Foto: Unsplash

Os efeitos da falta de sono

Mesmo com a flexibilização da quarentena em praticamente todo o Brasil, a diminuição da mobilidade é outro fator de risco que agrava o cansaço mental, assim como a diminuição de exposição ao sol, o que pode te prejudicar na hora de dormir. “O sono tem diversas funções e é crucial para manter o organismo funcionando em harmonia. Ele é responsável pela eliminação de certas proteínas que são associadas ao Alzheimer, também é responsável pela consolidação de memórias e pela manutenção do equilíbrio metabólico e emocional. Privação de sono pode levar à alterações de atenção, concentração e humor. Portanto, dormir bem é essencial”, conta Ewerton.

“Muitas pessoas estão em trabalho remoto em suas casas, nesse contexto, é essencial separar um ambiente e horário para desenvolver as atividades laborais, para que não invada a casa, a família, a vida”, também alerta Andréa. “Assim, recomendo fortemente organizar, estabelecer horários – de trabalho, de atividades físicas, para a família e ócio. Inserir atividades prazerosas, relaxantes entre a intervalos, favorece a sensação de bem estar, o que repercute no sono Além disso, desligar-se do celular e equipamentos eletrônicos uma hora antes de dormir, somado ao colocado acima, colabora para uma boa noite de sono.”

Dicas para controlar a exaustão mental no sono

  • Crie uma rotina relaxante antes de dormir. “Eu gosto de sugerir aos pacientes que tomem um banho quente e façam um relaxamento muscular antes de ir para a cama, além de óleo essencial de lavanda, 3 gotas pingadas no travesseiro antes de dormir”, indica Ewerton;
  • O cérebro adora rotinas, então tente ir dormir e acordar sempre no mesmo horário;
  • A ausência de luz que atinge as retinas é o que “lembra” o cérebro que está na hora de dormir, então, quando a noite for chegando vá apagando as luzes da casa e evite telas (TV, celulares) uma hora antes de dormir;
  • Evite substâncias estimulantes como cafeína ou energéticos após o período da tarde;
  • Nunca vá para a cama com preocupações ou pendências, se você está com uma pendência na cabeça, anote em um caderno e cheque só no dia seguinte;
  • A cama foi feita para dormir, então evite fazer outras atividades nela como ler ou ver tevê. Vá para a cama somente quando estiver com sono, o ideal é que o tempo passado na cama seja praticamente igual ao tempo de sono; 
  • Se ao tentar dormir, você perceber que passou mais de 30 minutos, levante, vá para outro cômodo e faça algo relaxante que não envolva telas, volte para a cama apenas quando o sono bater.

Não consigo “desligar”

Além da falta de sono, é importante identificar outros sintomas associados a exaustão mental, como cansaço físico excessivo, sensação de que não consegue “desligar”, que a cabeça está muito cheia, irritabilidade, oscilações de humor, palpitações, dores pelo corpo, crises de ansiedade, aumento da sudorese e tremores.

Se você identificar estes sintomas e perceber que eles estão afetando muito suas atividades diárias e que você tem tido pensamentos extremamente pessimistas durante a maior parte do dia é importante procurar ajuda especializada.

“Reconheça que está vivendo uma situação difícil. É normal se sentir mal, mas tente de alguma forma ter pensamentos positivos e esperançosos, troque frases como ‘não aguento mais’ por ‘isso vai ter um fim'”, diz Ewerton.

As redes sociais e a exaustão

Em tempos que estamos mais isolados, longe dos amigos e de pessoas queridas, ferramentas como as redes sociais são bem essenciais para nos aproximar virtualmente, porém aí vai um alerta: elas podem contribuir, sim, para um cansaço mental excessivo.

“Tudo pode ser tóxico, dependendo de como utilizamos”, alerta Andréa. “As redes sociais são um bom exemplo. Elas podem funcionar como entretenimento, como uma forma de interagir com pessoas, não também podem ser usadas como forma quase que exclusiva de conversar, interagir, o que é nocivo à saúde mental. É importante prestar atenção no tempo: quantas horas, e sensações que as redes sociais provocam. Além disso, fique atento se você utiliza essas ferramentas em detrimento de estar com filhos, amigos, ou se elas te provocam ansiedade – sensação de que precisa checar as informações o tempo todo pode ser indicativo de que o uso dessas redes são prejudiciais.”

As redes com seu ‘feed infinito” nos fazem ter a sensação de que tem muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, quando na verdade pode não estar acontecendo nada. Por fim, Ewerton dá a dica: “Filtre a quantidade de informações que você recebe, tente se desconectar um pouco das redes, certamente esse detox irá te ajudar.”

Comments

comments

Leave a Reply
Your email address will not be published. *

Click on the background to close