O YouTube está lançando uma nova ferramenta que bloqueia qualquer conteúdo ofensivo de sua plataforma, porém alguns vloggers e usuários repararam que vídeos com conteúdo LGBT estão sendo censurados. Acontece que o “Modo Restrito” do site tem bloqueado e filtrado conteúdo de criadores com esse tipo de conteúdo, o que é confuso, considerando que o recurso foi projetado apenas para “usar indicadores de comunidade, restrições de idade e outros sinais para identificar e filtrar conteúdo potencialmente inapropriado.”

Finlândia acaba de dar um grande passo para os direitos LGBT

Prefeito anuncia que irá arrancar páginas com referências LGBT de livro escolar

Vídeos de artistas como Lady Gaga, Katy Perry e Anitta estão recebendo o selo +18, além de vídeos de youtubers homossexuais, como Tyler Oakley. Em entrevista à Teen Vogueele falou que esse novo método causará efeitos muito negativos em toda a comunidade LGBT. “O YouTube sempre foi um lugar para as vozes desprotegidas chegarem ao público que está procurando ativamente representação na mídia”, explica. “É muitas vezes o primeiro lugar que muitos jovens LGBT ao redor do mundo vêem a si mesmos e suas histórias compartilhadas e comemoradas. Bloquear criadores e conteúdo LGBTQ é prejudicial”, disse.

Em sua conta no Twitter, o YouTube pediu desculpas por qualquer dano causado a esse público dentro da plataforma. “Somos muito orgulhosos por representarmos as vozes LGBTQ+ em nossa plataforma — elas são uma parte chave do que o YouTube significa. A intenção do modo restrito é filtrar conteúdo maduro para a pequena parcela de usuários que querem uma experiência mais limitada. Vídeos LGBTQ+ estão disponíveis no modo restrito, mas vídeos que discutem assuntos mais sensíveis podem não estar. Nós pedimos desculpas por qualquer confusão que isso causou e estamos de olho nas suas preocupações. Aceitamos o feedback de vocês e a paixão em fazer do YouTube uma comunidade inclusiva, diversa e vibrante.”

Essa novidade nos deixou surpreso e é extremamente prejududicial. Não há nada “inadequado” ou “ofensivo” sobre simplesmente ser quem você é, e o YouTube sempre foi uma saída para essa auto-expressão necessária. Esperemos que a plataforma reconheça esses problemas logo e tome medidas para corrigir a situação.

 

Comments

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.