Saúde Mental: a importância de a cultura pop falar sobre o tema

Você já reparou em como, de uns tempos pra cá, assuntos como a luta contra ansiedade, depressão e outras temáticas que afetam a nossa saúde mental estão “em alta”? A TV tem mostrado cada vez mais personagens com uma patologia, as séries que a gente adora maratonar também têm colocado muito o problema como tema central e, na indústria da música, os artistas que a gente ama têm se mostrado cada vez mais vulneráveis em suas músicas, afinal, somos todos humanos.

Leia também:

Além da importância que isso tem na nossa vida, pois nos mostra como não estamos sozinhos enfrentando um drama comum nos dias de hoje, as premiações que reconhecem o trabalho destes artistas não estão deixando de falar sobre as questões retratadas nestas obras.

Na semana passada, o GRAMMY® – prêmio máximo da indústria musical – divulgou a lista de indicados para a edição de 2019. Dentre as faixas que concorrem nas categorias está In My Blood, de Shawn Mendes, que retrata a ansiedade do cantor e como ele lida com as angustias da crise. No ano passado, o rapper Logic foi indicado com uma das músicas mais importantes do ano, 1-800-273-8255, que fala sobre depressão e suicídio. O nome da música, inclusive, é o número de telefone da central para ajudar pessoas que pensam em tirar a própria vida nos Estados Unidos, escolhido com o intuito de fazer as buscas por ajuda aumentarem.

Outra premiação que divulgou sua lista de indicados esta semana foi o Globo de Ouro e na lista está a série de TV Sharp Objects, da HBO, que traz a atriz Amy Adams no papel principal. Na trama, sua personagem, Camille, sofre de ansiedade e depressão e pratica a automutilação, enquanto sua mãe, Adora, sofre da síndrome de Munchausen, que faz com que as filhas fiquem doentes.

A importância de termos tais temas exemplificados em produtos midiáticos é enorme e o reconhecimento das grandes premiações por essas obras só incentivam a indústria a produzir mais conteúdo do tipo. E quanto mais temos acesso ao tema, mais entendemos como ele funciona, como identificá-lo e quais os tratamentos.

 

Comments

comments

Leave a Reply
Your email address will not be published. *

Click on the background to close